domingo, 13 de abril de 2014

Projeto Escola Descolada

Através de orientações oferecidas pela UFSCAR (Universidade Federal de São Carlos), a EMEF José Honório Rodrigues irá desenvolver esse ano uma série de atividades pedagógicas e encontros com alunos, professores e demais segmentos, para desenvolvermos o Projeto Escola Descolada, com o intuito de melhorarmos a qualidade do ensino que oferecemos, assim como a interação e o relacionamento entre todos os membros da nossa Comunidade Educativa. Na última semana, iniciamos o projeto apresentando uma Exposição de Arte desenvolvida pela professora Fernanda Ilário, que trabalhou uma sequência didática para que os alunos do Ciclo de Alfabetização pudessem aprender e conhecer a história da Semana de Arte Moderna - 1922.
 
 
 
 
                                                                                                                                                        
A Semana de Arte Moderna de 1922, realizada em São Paulo, no Teatro Municipal, de 11 a 18 de fevereiro, teve como principal propósito renovar, transformar o contexto artístico e cultural urbano, tanto na literatura, quanto nas artes plásticas, na arquitetura e na música. Mudar, subverter uma produção artística, criar uma arte essencialmente brasileira, embora em sintonia com as novas tendências européias, essa era basicamente a intenção dos modernistas.
Durante uma semana a cidade entrou em plena ebulição cultural, sob a inspiração de novas linguagens, de experiências artísticas, de uma liberdade criadora sem igual, com o conseqüente rompimento com o passado. Novos conceitos foram difundidos e despontaram talentos como os de Mário e Oswald de Andrade na literatura, Víctor Brecheret na escultura e Anita Malfatti na pintura.
A nova geração intelectual brasileira sentiu a necessidade de transformar os antigos conceitos do século XIX. Embora o principal centro de insatisfação estética seja, nesta época, a literatura, particularmente a poesia, movimentos como o Futurismo, o Cubismo e o Expressionismo começavam a influenciar os artistas brasileiros. Anita Malfatti trazia da Europa, em sua bagagem, experiências vanguardistas que marcaram intensamente o trabalho desta jovem, que em 1917 realizou a que ficou conhecida como a primeira exposição do Modernismo brasileiro. Este evento foi alvo de escândalo e de críticas ferozes de Monteiro Lobato, provocando assim o nascimento da Semana de Arte Moderna.
A Semana não foi tão importante no seu contexto temporal, mas o tempo a presenteou com um valor histórico e cultural talvez inimaginável naquela época. Não havia entre seus participantes uma coletânea de ideias comum a todos, por isso ela se dividiu em diversas tendências diferentes, todas pleiteando a mesma herança, entre elas o Movimento Pau-Brasil, o Movimento Verde-Amarelo e Grupo da Anta, e o Movimento Antropofágico. Os principais meios de divulgação destes novos ideais eram a Revista Klaxon e a Revista de Antropofagia.
O principal legado da Semana de Arte Moderna foi libertar a arte brasileira da reprodução nada criativa de padrões europeus, e dar início à construção de uma cultura essencialmente nacional.
Fontes:http://pt.wikipedia.org/wiki/Semana_de_Arte_Moderna
http://www.pitoresco.com/art_data/semana/index.htm

 
 
Sequência Didática desenvolvida pela professora Fernanda Ilário com as turmas do Ciclo de alfabetização (1º, 2º e 3º anos) que culminou
Assunto: Semana de Arte Moderna de 1922
·         Iniciamos a Sequência Didática falando sobre Tarsila do Amaral, artista que teve profunda influência no movimento modernista, apesar de não ter participado ativamente da Semana de Arte Moderna de 1922.
·         Realizamos a leitura do livro: Tarsila e o Papagaio Juvenal que explica de forma lúdica como foi criada a obra: “O vendedor de frutas” de 1925.
·         Foram oferecidas algumas explicações aos alunos, que posteriormente fizeram a releitura da obra: ”A cuca” de 1924, eles desenharam no caderno após ouvirem a história da inspiração do quadro. Tarsila ouvia historinhas de sua babá sobre a Cuca, que é um personagem típico do folclore paulista, Tarsila nascida em uma fazenda em Capivari, temia fazer travessuras por medo da Cuca.
·         Em outro momento foi lido para os alunos o livro: “Tarsila, a menina pintora” e solicitado aos mesmos que desenhassem o rosto dela na lousa.
·         Conversamos sobre a Semana de Arte Moderna que aconteceu em fevereiro de 1922, mostrei duas obras de pintores que foram apresentadas no Teatro Municipal na semana de 22: Fernanda de Castro de Anita Malfatti e Mulher Sentada de Di Cavalcanti.
·         Os alunos fizeram releituras da obra: “O pescador” de 1925, chamei atenção para o uso das formas geométricas usadas pela artista Tarsila do Amaral, os alunos fizeram também as releituras das obras: Palmeiras, 1925.
·         Montamos uma pequena exposição com os trabalhos dos alunos que ficarão expostos para visitação no pátio da escola.
 
 
 
 

sábado, 5 de abril de 2014

Mês de Abril é o mês do Livro

                                    Em todo canto se conta um conto!          

São Paulo (SP) – O mês de abril reúne três datas comemorativas para o livro e a leitura. Dia 2 de abril, é celebrado o Dia Internacional do Livro Infantil. O dia 18 de abril é o Dia Nacional da Literatura Infantil. O dia 23, por sua vez, é o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor.

O Dia Internacional do Livro Infantil foi estabelecido em homenagem ao nascimento, em 1805, do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen. Autor de mais de 150 títulos, Andersen foi um dos primeiros escritores a se dedicar à literatura infantil. Entre suas histórias estão clássicos como O Patinho Feio, A Pequena Sereia, A Polegarzinha, O Soldadinho de Chumbo, A Roupa Nova do Rei e A Pequena Vendedora de Fósforos.

O Dia Internacional do Livro Infantil foi instituído em 1967, por iniciativa do International Board on Books for Young People (Ibby). Em tradução livre, o Conselho Internacional sobre Livros para Crianças e Adolescentes é representado no Brasil pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). A data de 18 de abril é festejada em mais de 60 países.

O Dia Nacional da Literatura Infantil é uma homenagem a Monteiro Lobato, escritor brasileiro especialista neste gênero, que nasceu em 18 de abril de 1882, em Taubaté (SP). Entre os livros do autor estão Reinações de Narizinho e Caçadas de Pedrinho, que integram sua grande obra infantil: O Sítio do Pica-pau Amarelo. Lobato morreu em São Paulo, em 4 de julho de 1948, aos 66 anos de idade.

O Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor foi instituído em 1996 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco, na sigla em inglês). Desde então, foi adotado por mais de cem países. A data reflete a importância dos livros para a sociedade moderna e marca a morte de diversos escritores famosos, como o espanhol Miguel de Cervantes (1547/1616) e o inglês William Shakespeare (1564/1616). 
Fonte:icea.sispart.com
 
No José Honório o mês do livro é comemorado com uma atividade muito interessante que faz parte do Projeto Leitura para a Cidadania. Esse evento de grande interação ganhou o nome carinhoso de Em todo canto se conta um conto! Momento em que alunos, professores e funcionários "tomam" todos os espaços internos e entorno da escola para desenvolverem atividades livres para a leitura literária, esse ano o evento acontecerá nos dias 23 e 24 de abril nos dois períodos. Não fique de fora, Participe!
 
 
Coordenação Pedagógica

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Football for Hope - Esporte, Cidadania e Comunicação Comunitária

Projeto Toque de Letras recebe apoio do programa Football for Hope e une esporte, cidadania e comunicação comunitária

13 jan 2014
      
A Fundação Tide Setubal dá início em 2014 ao projeto Toque de Letra, que unirá esporte, cidadania e comunicação comunitária. Podem participar adolescentes e jovens entre 13 e 20 anos, que estejam estudando e gostem de futebol. As inscrições, gratuitas, serão feitas de 17 a 28 de fevereiro no CDC Tide Setubal, onde ele será realizado de 10 de março até dezembro.
O projeto é apoiado pelo Football for Hope, investimento social da Fifa que aporta recursos em organizações sem fins lucrativos no mundo todo que trabalham o futebol e a cidadania. Coordenado pelo Núcleo Mundo Jovem, da Fundação, contará com colaboração do Núcleo de Comunicação Comunitária (NCC) e da equipe do CDC Tide Setubal. A meta é beneficiar, ao ano, 175 adolescentes e jovens que treinam no clube.
O Toque de Letras vai oferecer: oficinas lúdico-educativas (filmes, debates, músicas, encenações) sobre temas da adolescência e de compreensão do território onde se vive, da cidade e da sociedade (“momento cidadania”); oficinas de blog, rádio, audiovisual e locução, a fim de fortalecer o letramento a partir de debates sobre a prática esportiva (“momento comunicação esportiva”); e fundamentos técnicos do futebol e jogos cooperativos (“momento esportivo”). “São dimensões com estratégias especificas, mas todos os envolvidos terão os mesmos princípios e objetivos de fortalecer os projetos de vida desses adolescentes, oferecendo-lhes uma formação integral”, explica Viviane Hercowitz, coordenadora do Núcleo Mundo Jovem.
Os treinos de futebol, três vezes por semana, terão duração total de duas horas. “Deste tempo, 40 minutos iniciais de um treino por semana serão dedicados às reflexões críticas de temas relacionados à cidadania. E um treino por mês (duas horas) será para a comunicação esportiva”, relata a coordenadora. Estão previstos ainda quatro passeios a estádios, centros de treinamento, Museu do Futebol e teatro, além de conversas com profissionais do futebol, como comunicadores, jogadores, treinadores, radialistas, fotógrafos e cineastas e de participações na Virada Esportiva da cidade de São Paulo e do Festival de Esportes do CDC.
 
Origem do projeto
 
O projeto remonta ao Futebol e Cidadania, iniciativa de 2007 que juntou o Mundo Jovem à equipe de esportes para a oferta, aos adolescentes e jovens no CDC, de uma formação social e humana. O objetivo era alinhar a prática esportiva às reflexões sobre temas fundamentais para que eles fortalecessem seus projetos de vida, como: sexualidade, gênero, trabalho, drogas, desigualdade social, meio ambiente.
Em 2010, ações do Mundo Jovem foram integradas com algumas intervenções do NCC, visando fortalecer o letramento com uso da prática esportiva como tema. Na época, foram promovidos exercícios de locução esportiva, escrita de técnicas de jogo e programas de TV com convidados do mundo do esporte. Ainda em 2010 o Futebol e Cidadania foi interrompido e, no segundo semestre de 2013, reativado, com algumas turmas do futebol, vôlei e ginástica artística, quando ocorreram discussões sobre desigualdade social e uma ida ao teatro no Centro de São Paulo (SP). A partir desse histórico, foi construído, então, o Toque de Letras.

Projeto Jovem Comunica

NCC promove discussões sobre a cidade e difunde educomunicação

14 jan 2014
    

O Núcleo de Comunicação Comunitária (NCC) São Miguel no Ar, da Fundação Tide Setubal, atingiu 845 pessoas de forma direta em 2013, em formações, oficinas e projetos para crianças, jovens, docentes de escolas públicas e comunidade de São Miguel. Gestores de CEUs da capital paulista também participaram de conversas para aperfeiçoar o uso pedagógico desse equipamento público.
O NCC promoveu formações voltadas a professores, como a Habitar, Comunicar e Educar, na região, e a Habitar é Comunicar, no projeto Nossa Escola Pesquisa Sua Opinião (Nepso), da Ação Educativa e do Instituto Paulo Montenegro. O processo culminou com o alcance de novos atores da educação e com o aumento da projeção da metodologia do NCC, que usa território e letramento como elementos transversais no processo de educar.
“Essa animação da rede foi surpreendente. Irradiou visões e experiências dos educadores, tanto nos encontros como nas publicações e blogs, e teve a participação de educandos, professores e coordenadores pedagógicos no Festival do Livro, entre outros. Articulamos muito na educação, e em 2014 essa demanda continua”, relata José Luiz Adeve, o Cometa, coordenador do NCC. “Em 2013, também remanejamos energia para trabalhar com as crianças do Jd. Lapenna, na TV Lapenninha e no Pontinhos de Cidade, e com os adolescentes no Intermídia Cidadã, formando agentes de educomunicação comunitária, o que chamamos de ‘letramento político sem perder a poesia’”, explica.
A formação Habitar, Comunicar e Educar foi realizada pelo NCC na E.E. Rev. Urbano, EMEF José Honório, EMEF Pedro Luis Cordeiro e SESI A.E. Carvalho. No total, 30 educadores e 6 coordenadores pedagógicos discutiram esses temas no horário reservado oficialmente ao aperfeiçoamento do corpo docente do município. O apoio à educação integral pela educomunicação se deu na E.E. Rev. Tércio, onde foram ministradas aulas eletivas de política para 120 estudantes, enquanto a EMEF Pedro Luis Cordeiro contou com oficina de rádio envolvendo dois professores e 35 alunos.
E.E. Rev. Urbano, EMEF José Honório e SESI A. E. Carvalho tiveram 160 educandos e 12 educadores beneficiados com produção midiática pelo Rede Jovem Comunica. Além disso, as práticas educativas de 16 docentes foram publicadas no suplemento jornalístico da iniciativa. O NCC realizou, em parceria com o Núcleo Mundo Jovem, formação para professores de informática, os POIEs. “Dali nasceu grupo de estudos para desenvolver práticas educativas que colaborem para melhorar o ambiente escolar com processos interdisciplinares, os quais estimulem a ressignificação do território e da escola para os alunos, e a valorização desses professores, que são mediadores da educação intercultural, uma demanda da contemporaneidade”, avalia. Já a oficina Do E-mail à Rede, sobre comunicação e novas tecnologias, atingiu 45 pessoas beneficiadas pelo programa Ação Família.
 
Fórum de moradores e jornal de Plano de Metas
Os avanços mais significativos do ano no Fórum de Moradores do Jd. Lapenna e Adjacências foram o envolvimento de crianças e adolescentes e a criação de comissões de moradores para tratar de necessidades da comunidade. “Apesar de reveses, como a interrupção, por conta de ocupações, de um processo para planejar e executar um projeto de urbanização, os pontos altos foram o protagonismo dos jovens na produção de peças educativas, o canal de diálogo com o poder público e a nossa abordagem acertada sobre como funciona a cidade, numa oficina para 57 moradores”, destaca.
“Nos moradores, vemos a percepção da necessidade de organização comunitária e de resiliência. Para a Fundação, o ganho é o aprendizado constante, o desenvolvimento de novas habilidades na relação com a comunidade e a possibilidade de colaborar para a influência e a formulação de políticas públicas, aproximando poder público e comunidade e preservando o caráter educativo”.
O Núcleo marcou presença também na criação e na produção de um jornal dedicado ao Plano de Metas de São Paulo (SP). Os 30 jovens participantes do Intermídia Cidadã fizeram pesquisas, pensaram em layout e redigiram textos. Desde o início de 2013, eles acompanharam debates e consultas sobre o Plano de Metas pela cidade. Movimentos da sociedade civil que atuaram para que o plano se tornasse lei municipal convidaram, então, o NCC para a produção colaborativa do informativo, ao lado de especialistas e de outras ONGs, com o apoio de um conselho editorial da Fundação. O lançamento ocorreu em dezembro.
 
 
Disseminação do método
Participação no Congresso Brasileiro de Educomunicação, em encontro de DREs da Zona Leste e em palestra nos CEUs, além de rodas de conversa em 12 escolas e de formações em ONGs em São Paulo e em cidades do Vale do Paraíba disseminaram a metodologia do núcleo. “Ficamos muito felizes quando em Brasília, numa reunião do Mais Educação com coordenadores do Brasil, o professor Ismar de Oliveira Soares, da USP, nos apontou como referência de educomunicação no país. E, depois, também descobrimos que a publicação Educomunicação em Movimento é utilizada no curso de graduação do tema na USP”, relata Cometa. “Nos CEUs, falamos das nossas experiências de valorização do espaço geográfico, para envolver crianças e adolescentes nas intervenções interculturais, e abordamos a educação integral”. 
Em 2014, o principal desafio do NCC é contribuir com mais articulações no território para beneficiar a educação. “Temos de desenvolver, junto com os demais núcleos da Fundação, ações e itinerários formativos para a DRE, sistematizar a metodologia do Fórum dos Moradores e, com a ajuda das tecnologias de comunicação, criar um projeto de aplicativo para fortalecer mais a comunidade”, relata o coordenador.  
 
Opiniões de beneficiados
“No Nepso, foi positivo o assunto da pesquisa ter partido do interesse das próprias crianças, que fez o envolvimento ser muito maior, até mesmo para os que têm dificuldade de aprendizado. O método os inseriu no contexto no qual eles realmente vivem, e aproximou a comunidade da escola na hora da busca das informações nas diversas fontes, para a confecção da pesquisa.” - Elvira de Fátima Bandeira Neta, 33 anos, profa. do ensino fundamental I, da E.E. Prof. Joaquim Torres Santiago, participante da oficina Habitar é Comunicar, do projeto Nepso
“As atividades da eletiva de política foram desenvolvidas da maneira mais democrática possível, no formato de mesa redonda, com os temas escolhidos pelos educandos da 1ª e 2ª séries do ensino médio integral. Primeiro, havia vídeo para sensibilização e depois o debate. Percebi o respeito mútuo quanto às opiniões pró e contra, e eles ficaram muito satisfeitos em falarem sobre seus anseios. A parceria é fundamental e inovadora e contamos com o NCC para o próximo ano.” - Luciene Almeida Lima, 42 anos, professora de história e sociologia na E.E. Rev. Tércio
“A parceria foi essencial. Após aulas introdutórias, abordando direitos humanos, os jovens debateram aborto, baile funk, pena de morte, redução da maioridade penal, liberação do uso de drogas e cotas para negros. Tinham de respeitar e ouvir os argumentos contrários aos seus, e o lema era: ‘não concordo com nada do que você diz, mas morro, se for preciso, para você ter o direito de continuar dizendo’.” - Edjoel Carvalho Veiga, 40 anos, professor de biologia na E.E. Rev. Tércio, que também ministrou a eletiva de política
“Gostei muito da oficina porque tive aprendizados com o computador, as redes sociais e o e-mail. Hoje, tudo é movido pela internet, o que faz esses cursos serem importantes para a vida toda. Eles nos ajudam a melhorar na comunidade e na rua. A comunicação efetiva é importante, e o conjunto dessas reuniões todas nos auxilia nisso.” - Tamires Justino da Silva, 20 anos, balconista, moradora do Jd. Lapenna, participante da oficina Do E-mail à Rede, do NCC junto com o Ação Família
“O Pontinhos da Cidade fortaleceu o pertencimento e a identidade em relação ao Jd. Lapenna. É notável como as crianças se apropriaram do espaço e se sentiram  parte dele e como identificaram problemas que podem ser solucionados apenas a partir da organização e mobilização local, fortalecendo, assim, os vínculos sociais e a ideia de cuidar do nosso espaço comum. Na TV Lapenninha, elas executaram no teleteatro aquilo que imaginaram, ou seja, concretizaram suas ideias, num forte vínculo entre o pensar, o planejar e o agir.” - Ana Gagliardo, 33 anos, facilitadora no Pontinhos de Cidade e pré-produtora na TV Lapenninha